Pular para o conteúdo principal

Aniversário de São Paulo | Topônimos* de Origens Indígenas Presentes na Cidade

Local:

Museu das Culturas Indígenas (R. Dona Germaine Burchard, 451 - Água Branca - São Paulo/SP)

Data:

25/01/2024, das 10h às 12h

Entrada:

gratuita, mediante inscrição antecipada

Vagas:

20 pessoas

Informações:

(11) 3873-1541 ou contato@museudasculturasindigenas.org.br

Garanta seu Ingresso

Turiassu, Ibirapuera, Tietê, Guaianazes, Itaquera, Tucuruvi, Butantã, M’Boi Mirim, Pirituba, Jaguaré, Jaraguá, Mooca, Pacaembu, Anhangabaú, Ipiranga, Pari, Tatuapé, Sapopemba, Canindé, Carandiru, Guarapiranga, Jabaquara, Moema, Jaçanã, Congonhas, Morumbi, Grajaú, Tremembé, Tamanduateí… O que significam os nomes indígenas de lugares da cidade de São Paulo? O município mantém, em praticamente todas as regiões, esses topônimos* em bairros, ruas e parques.

No dia em que São Paulo completa 470 anos, à luz dos povos indígenas que habitaram e habitam a construção desta cidade, refletindo sobre o território anterior ao que conhecemos, o Museu das Culturas Indígenas (MCI), por meio de seus Mestres dos Saberes, traz suas histórias, culturas e significados.

É importante lembrar que a fundação da cidade insere-se no processo de ocupação e exploração de terras que já eram habitadas por diversos povos indígenas, entre os quais estão Tamoio, Tupinambá, Guarani, Tupiniquim, Carijó, Goiana, Guaianás, Puri, Tupi, Kaiapó, Kaingang, Opaié-Xavante, Otí-Xavante e outros.

*Topônimos: nomes geográficos próprios de região, cidade, vila, povoação, lugar, rio, logradouro público, entre outros.

Natalício Karaí de Souza é Guarani Mbya, nasceu no Paraná, na Aldeia Pinhal. Com 16 anos, passou a morar na Aldeia Tenondé Porã, em Parelheiros, na cidade de São Paulo, e há mais de 20 anos vive na Terra Indígena Jaraguá. É Mestre dos Saberes no MCI e artesão, fazendo esculturas de animais em madeira. Em sua aldeia é considerado xeramoi, um ancião e líder religioso. Gosta de falar sobre sua cultura, da espiritualidade e das tradições do seu povo, passando para os mais novos aquilo que aprendeu com seus mais velhos.

Cláudio Verá é da etnia Guarani Mbya. Trabalhou por 10 anos como professor da rede pública, lecionando Língua Materna e Cultura Étnica nas Terras Indígenas Tenondé e Krukutu. Toca violão guarani e ravé, joga futebol, já viveu em diversos territórios indígenas pelo Brasil e passou por outros tantos pelo mundo. Traz conhecimentos sobre cosmovisão guarani, comidas, crenças, pássaros, flora. Atualmente, é Mestre dos Saberes do MCI.

BUSCAR

Todos os direitos reservados © Museu das Culturas Indígenas 2023 | Desenvolvido por Inova House