Em atendimento à legislação eleitoral, alguns conteúdos deste site ficarão
indisponíveis de 2 de julho de 2022 até o final da eleição estadual em São Paulo.

Abril Indígena em São Paulo com o MCI

18 de abril de 2022

O Museu das Culturas Indígenas (MCI) é uma instituição da Secretaria de Cultura e Economia Criativa do Governo do Estado de São Paulo, que será aberto ao público em breve. Localizado ao lado do Parque da Água Branca, na capital, o MCI é gerido pela ACAM Portinari (Associação Cultural de Apoio ao Museu Casa de Portinari) – Organização Social de Cultura, em parceria com o Instituto Maracá, associação sem fins lucrativos, que tem como finalidade a proteção, difusão e valorização do patrimônio cultural indígena.

Abril é o mês da visibilidade indígena, sendo um marco na mobilização pelo reconhecimento dos direitos dos povos originários e defesa das terras indígenas. Respeitar os povos e conhecer suas culturas na contemporaneidade, rompendo com o racismo, promovendo a união entre diferentes grupos no combate à intolerância, é essencial para o diálogo intercultural e trocas de saberes entre pessoas de todas as culturas. 

O MCI é um espaço de valorização das culturas originárias que pretende trazer debates e toda riqueza cultural da população indígena. Para que o reconhecimento da história indígena negada o ano inteiro não seja lembrada apenas no dia 19 de abril.

Como o MCI valoriza os indígenas?

São Paulo sempre foi território indígena e abriga mais de 30 Terras Indígenas, os Guarani Mbyá, Guarani Nhandeva e Tupi-Guarani estão na maior parte das áreas. A população Terena, Kaingang, Krenak, Guarani, dentre outras, estão em terras indígenas nos municípios de Avaí, Braúna e Arco-Íris: TI Araribá, TI Icatu e TI Vanuíre. O estado também possui uma das maiores populações indígenas urbanas do país, com etnias de todo o Brasil.

Valorizar as histórias indígenas permite à sociedade brasileira conhecer sobre o território ancestral que está pisando neste solo sagrado e a força de povos milenares que resistem até os dias atuais, buscando ocupar espaços que lhes foram tomados. Com um modelo inovador de gestão compartilhada, o espaço pretende criar caminhos coletivos de organização e execução de suas atividades, junto com um conselho de representantes indígenas.

Sobre o logo do MCI

Até mesmo o logo do MCI foi pensado para trazer a vivência indígena, como explica o seu criador, o artista Denilson Baniwa. “O logo foi inspirado em petroglifos de povos indígenas do povo do Rio Negro, no Amazonas, que é essa tecnologia de gravar memórias em rochas. E eu trouxe uma simbologia de construção coletiva, de uma maloca,  de uma casa de conhecimento, e a representação de pessoas indígenas ao redor dela. Então é como se o Museu fosse essa casa  construída conjuntamente para guardar memórias, saberes e conhecimentos diversos”, afirma Baniwa.

Denilson faz parte da Comissão Artística e Curatorial do MCI, que também conta com Tamikuã Txihi, Xadalu Tupã Jekupé, Gustavo Caboco e Aislan Pankararu, artistas que serão responsáveis pelas exposições inaugurais e mostras que estarão presentes no Museu das Culturas Indígenas.

Acompanhe as nossas redes sociais para ficar  por dentro das novidades e informações sobre a abertura e futuras exposições.

SERVIÇO:

Museu das Culturas Indígenas
Contato: comunicacao@museudasculturasindigenas.org.br ou (11) 95945-5304
Site: http://www.museudasculturasindigenas.org.br/
Redes Sociais:
Instagram (instagram.com/museudasculturasindigenas/)
Facebook (facebook.com/museudasculturasindigenas/)
Twitter (twitter.com/mcindigenas)
YouTube (youtube.com/channel/UCYgc3AXP0-UfQye5pgbVloQ)

Governo do Estado de SP